kong_recheio2

Escrito em por na categoria Curiosidades.

Durante as férias os cães têm a nossa companhia durante grande parte do dia desabituando-se ao tempo que têm de ficar sozinhos quando o trabalho recomeça.

Estimulo mental e exercicio

Devemos promover actividades que estimulem fisicamente os nossos cães de forma eficiente durante a semana e complementar com um estimulo mental de forma a que propicie um maior cansaço ao longo do dia evitando o aborrecimento para quando o animal está sozinho.

Brinquedos dispensadores de comida

Entre estes brinquedos podemos destacar os Kong que podem ser recheados com pastas de variadas dificuldades e as bolas dispensadoras de ração (geralmente com um labirinto no interior) onde podemos colocar a ração diária do animal. Estes brinquedos devem ser dados aos cães quando ficam sozinhos de forma a que quando fiquem sozinhos em casa evitem o aborrecimento.

Voltar a estar sozinho

Para mudarmos o stress de uma mudança brusca na rotina do animal ( quando o dono volta ao trabalho diário ), devemos voltar a ensinar o cão a ficar sozinho. Devemos criar um plano de treino gradual, minimizando a ansiedade e promovendo comportamentos adequados de calma. Não devemos nunca deixar o cão sem nada para fazer durante o tempo em que está sozinho. Deixe o cão dentro de casa no local onde se sente mais confortável e onde passa a maior parte do seu tempo, com uma cama confortável, um Kong recheado e saia. Volte um pouco antes de ele acabar o Kong, ou osso, e retire-lho, trocando por um biscoito.

Passeio a meio do dia

Pondere ter uma pessoa que passeie o cão a meio do dia, aproveitando a hora de almoço, pedindo a familiares/amigos ou contratando um serviço petsitting.

Reforçar os comportamentos de calma

Coloque em todas as divisões da casa, num sitio alto em que o cão não tenha acesso, caixas ou copos com grãos da ração do cão. Sempre que vir o cão relaxado – pode estar deitado, sentado, quieto num contexto em que não costuma estar – dê-lhe um grão da ração. Ignore o cão se se levantar e o seguir, lembre-se que está a reforçar apenas quando o cão se encontra sossegado.

Descansar na sua cama

Recompense, além do referido acima, sempre que o cão está na cama. Isto é, começa a recompensar assim que o cão se deita e vai recompensando constantemente enquanto o cão está na cama dele. Pode ainda ensiná-lo a ir para a cama sob sinal – pegue num pedacinho de comida, faça com que a siga até à cama e recompense quando ali estiver. Faça isto 3 vezes com a comida na mão e em seguida retire a comida da mão que está a atrair o cão (fazendo o mesmo gesto que estava a fazer) e recompense assim que este colocar as patas na cama.

 

destruir-objetos-cachorro-e1418839319285-400x313

Escrito em por na categoria Curiosidades.

O seu cão está a cheirar um bocado de madeira ou o seu gato anda de volta de uma caixa de cartão e, de repente, começam a comer o objecto. Mas porque está a comer isso? Este fenómeno é chamado de “pica”.

O que é a pica?

É a ingestão de materiais que não são alimentos, e uma alteração do comportamento digestivo do animal. É mais comum em animais jovens, mas pode apresentar-se em qualquer idade. Pode indicar a presença de alguma alteração no organismo. Pode dar lugar a consequências sérias como uma oclusão intestinal ou transmitir parasitas. Também há estudos que indica uma componente psicológica como chamar a atenção, ansiedade por separação, transtorno compulsivo, etc.

Ocorre em que animais?

Indivíduos jovens. Associado a problemas de imaturidade, prolongamento das condutas de cachorro, desmame precoce e transtornos de conduta alimentar. Em gatos é mais frequente em siameses.

Causa mais habitual?

Nos animais de quinta detectou-se fenómenos relacionados com carência de minerais e vitaminas. Em animais de companhia, além das causas relacionadas com a imaturidade pode também haver uma componente psicológica, como ansiedade, falta de estímulos ou diversão, pouca actividade física e chamar a atenção.

Como se detecta?

Infelizmente este problema apenas é descoberto quando aumentam as visitas ao veterinário por problemas digestivos. É por isso importante observar o animal de companhia diariamente para detectar a tempo alguma alteração do seu comportamento.

Possíveis tratamentos

Enriquecimento ambiental com brinquedos e objectos para entreter o animal;

Aumento da actividade física;

Colocar uma segunda caixa de areia para as necessidades do seu gato;

Remover os castigos, já que neste tipo de problemas não são eficazes;

Em último lugar tratamento farmacológico.

Recomendações finais

Observar o nosso animal, para comprovar quando ocorrem mudanças de hábitos. Dedicar tempo ao nosso animal de companhia. Este não é um elemento inerte, falamos de um ser vivo que, além de comida, água e vacinas, precisa de entretenimento. A oportunidade de jogar, se possível na nossa companhia, fará deste um animal mais saudável e equilibrado.

 

cachorro-no-sofa

Escrito em por na categoria Curiosidades.

A nossa casa é um refúgio para todos os membros da família e os animais de companhia não são excepção.

Há umas décadas os cães viviam apenas no exterior das casas, em incómodas barracas, mas agora são bem-vindos no interior dos nossos lares, partilhamos o mesmo espaço e não faz sentido não incorporar as suas necessidades no “design” da nossa casa. Por isso temos de tornar a nossa casa um lar “pet friendly”.

Através dos olhos do nosso cão

Tente imaginar como o seu cão vê a casa. Há um lugar mais tranquilo? Há áreas de actividade? Ele derruba invariavelmente o candeeiro de pé? É melhor mudá-lo de sítio ou substituir a sua base por outra mais pesada. Conviver satisfatoriamente com um cão é educá-lo a respeitar certos objectos e zonas, mas também adaptar o nosso lar às suas necessidades.

Pavimento apropriado

Numa casa com animais o chão é a primeira e mais importante consideração. Estes passam muito tempo deitados no chão. Um pavimento fácil de limpar é essencial. Tenha em consideração que os cães podem deixar marcas das unhas nas madeiras menos duras.

Tapetes em casa

Os tapetes não são recomendados, pois são muito difíceis de manter limpos. Mas se é apaixonado por tapetes opte por um de fibra de coco, algas…fibras vegetais que se destacam pela sua resistência às manchas, são mais adequadas para alérgicos, pois retêm o pó. Como protecção do animal coloque tapetes antideslizantes nos pisos de linóleo ou laminado nas zonas como o corredor, onde é provável que o cão corra. Uma derrapagem acidental pode provocar uma lesão grave como uma ruptura de ligamentos cruzados.

Móveis à prova de animais

É aconselhável proteger os assentos dos cadeirões e sofás com almofadas de tecido lavável. Também se podem cobrir com uma manta ou coberta com um estilo informal agradável. Se tiver de mudar de sofá, a pele artificial é uma boa opção, é fácil de limpar e muito resistente às patas dos cães.

Cores e padrões

A cor é muito importante quando decoramos! Com cães de cor escura é melhor fugir de tecidos e móveis brancos, onde o seu pêlo será visível. Considere que os cães de pêlo curto perdem mais pêlo que os de pêlo comprido. Os padrões, nos tecidos, ajudam a esconder as manchas.

Onde arrumar as trelas e coleiras

Ter um espaço onde o cão pode ser limpo e seco antes de ter acesso ao resto da casa, num dia chuvoso, ajuda a manter todo o lar limpo.

Uma zona de alimentação

Mantenha os alimentos e comedouros do seu cão num lugar que não seja de passagem, longe do cheiro do balde do lixo. É bom colocar os comedouros sobre uma plataforma de acordo com a altura do cão, para que este não se magoe nas vértebras cervicais. Para cães de porte médio e grande os comedouros colocados directamente no chão podem ser prejudiciais. Eleve-os!

 

 

Escrito em por na categoria Curiosidades.

 

cachorro-desconfiado

 

Os cães têm uma intuição muito forte, ou será um sexto sentido? Mesmo sem dizer nada, há coisas que os cães conseguem perceber dos humanos:

 

Humor – Eles percebem se estamos nervosos ou tristes. Têm tendência para ficar nervosos e ficar perto de nós o tempo todo…eles entendem que precisamos de atenção.

 

Quando não estamos com atenção – Eles conseguem entender quando estamos distraídos, e é aí que eles fazem o que querem. Quem nunca teve um cão que tirou algo de cima de mesa, naqueles segundo que nos distraímos?

 

Desigualdade – Eles entendem se são tratados de forma diferente de outro cão. Um estudo colocou 2 cães aos quais eram dados determinados comandos através de vós. No entanto só um deles recebia uma recompensa. O cão que não recebia a recompensa entendeu que estava a ser tratado de forma diferente e deixou de responder ao comando.

 

Quando estamos doentes – Normalmente os cães têm tendência a ficar mais próximo de nós quando estamos doentes. Além disso vários estudos já comprovaram que os cães através do olfato conseguem detetar as células cancerígenas.

 

Quando alguém não é de confiança – Uma pesquisa releva que os cães conseguem detetar quando alguém está a mentir.

Escrito em por na categoria Curiosidades.

CARA DE UM, FOCINHO DO OUTRO

“Dog People” é um projeto criado pela fotografa Inês Opifanti, depois de há 3 anos atrás ter adotado um cão e ter-se apercebido que eles têm expressões muito idênticas às dos humanos. Será que os humanos também conseguem imitar as expressões dos nossos melhores amigos? As fotos de Inês demonstram que de facto CARA DE UM, FOCINHO DO OUTRO.

projeto-dog-people-01 projeto-dog-people-02 projeto-dog-people-06 projeto-dog-people-07 projeto-dog-people-09 projeto-dog-people-10 projeto-dog-people-11 projeto-dog-people-12 projeto-dog-people-13

Escrito em por na categoria Curiosidades.

Levar os animais de estimação para o trabalho é algo ainda raro no nosso país, no entanto lá fora já existem algumas companhias com Pet-Friendly Policies como a Amazon, a P&G ou a Google.

Um estudo da International Journal of Workplace Health Management descobriu que as pessoas que levam os animais para o trabalho são menos stressadas e que o sentimento de satisfação no trabalho passa também para os outros colaboradores que contactam com os animais.

“Os cães no local de trabalho podem fazer uma diferença positiva”, quem o diz é Randolph T.Barker, PD.D. e professor de gestão na Universidade de Virginia. “A diferença percebida entre os dias em que os animais estiveram presentes e os dias em que estavam ausentes é significativa. Os empregados apresentaram graus de satisfação superiores aos normais na industria.”

Quem sabe pode ser uma forma de aumentar a produtividade em Portugal, trabalhadores felizes são trabalhadores mais produtivos.

Dogs at work_2

 

 

Escrito em por na categoria Curiosidades.

Homem e Animal

A presença de um animal de estimação em casa contribui para aliviar o stress e o apoio nestes amigos de 4 patas pode ser especialmente importante em momentos mais difíceis.

Além dos sorrisos, companheirismo e muita diversão proporcionada por um animai de estimação, existem vários estudos que comprovam que passar tempo com cães e gatos “pode ser tão bom como estar com os amigos e com um membro da família” e nos momentos mais complicados “podem apoiar-nos, reduzir o ‘stress’ e fazer-nos rir mais”, quem o diz é Mia Cobb, especialista em animais e investigadora da Universidade de Monash, na Austrália.

A presença de animais de estimação além de ser benéfica para o nosso bem-estar contribui para melhorar a nossa autoestima. A razão para isto acontecer, segundo esta mesma investigadora, é a “hormona do amor”: a oxitocina, que pode ser libertada através de um gesto tão simples como fazer uma festa ao nosso animal de estimação e que diminui a ansiedade e o ritmo cardíaco.

Se ainda não tem um cão ou um gato, não acha que está na altura?

 

irani_2

Escrito em por na categoria Curiosidades.

O Irão continua a reprimir as pessoas que possuem cães como animais de estimação pois estes são vistos como impuros segundo a interpretação islâmica local. Ainda assim, Soroush Mobaraki, farmacologista veterinário afirma que, mesmo com o risco de receber uma multa e ter o animal apreendido, as vendas de cães estão a subir.

Durante décadas no Irão, a criação de cães como animais domésticos era algo raro e, portanto, tolerada pelo governo Iraniano. Cães de guarda, de pastoreio ou de caça, foram sempre aceites, mas tê-los como animais de companhia é visto como uma imitação da cultura ocidental e, como tal, criticada. Nos últimos anos, o número de cães adquiridos pela classe média tem aumentado, alarmando as autoridades.

Foi afirmado pelo aiatolá que os cães de companhia originam “corrupção de valores familiares e de danos sociais”. Estas declarações levaram a que o ministro da cultura proibisse todos os anúncios relacionados com cães nos meios de comunicação. A discriminação em relação aos donos dos cães é tão forte que o simples acto de passear o cão pela cidade é criminalizado. Ainda assim, cada vez mais pessoas querem ter um cão como animal de estimação, e para além das represálias, o comércio online também já começa a ser um problema, pois alguns criadores enganam os compradores e criam os animais em péssimas condições de saúde e bem-estar.

Em 2011, foi até proposta uma lei que proibia os cães de estarem em locais públicos e até mesmo em apartamentos privados, alegando o problema cultural que eles representam e levantando a bandeira a favor da saúde pública, embora não tivesse sido aplicada devido a movimentos activistas.

Esta notícia espelha bem a falta de informação imparcial e educação de um País que tem posições extremistas e que valoriza tradições culturais desadequadas para a realidade dos tempos modernos.

qual_culpado

Escrito em por na categoria Curiosidades.

Quantas vezes é que quis castigar o seu cão mas depois de olhar para a sua expressão de vítima decidiu perdoá-lo? Será que os cães sabem que fizeram mal ou simplesmente percebem que você está chateado? Qual dos cães da foto acima é o culpado?

Muitos comportamentalistas afirmam que os cães não sentem culpa. Quando uma pessoa grita com um animal ou manifesta sinais de agressividade, os cães simplesmente reagem apresentando sinais de apaziguamento para tentar acalmar e evitar esse conflito. Os principais sinais são os seguintes: desviar o olhar, orelhas para trás, manter a cabeça baixa, manter-se imóvel ou andar lentamente e meia-lua branca do olho visível.

Por muito que o animal possa parecer que percebe porque é que você está a gritar, os comportamentalistas defendem que as pessoas não devem culpar os animais por acontecimentos realizados há horas porque os cães simplesmente não conseguem fazer a associação do comportamento passado com a repreensão.

Um estudo científico analisou 14 cães que foram postos à prova pelos seus donos quando estes lhes disseram para não comerem o biscoito durante a sua ausência. A psicóloga, que esteve sempre presente, deu biscoitos a alguns dos cães mas não disse a verdade a todos os donos. Portanto, alguns cães foram repreendidos pelos seus donos independentemente do seu comportamento, bom ou mau. Com este estudo a psicóloga verificou que o “olhar de culpa” está associado à repreensão e não ao verdadeiro sentido de culpa. “Esta expressão não se deve à culpa mas é a reacção natural à atitude do dono” afirma a psicóloga.

As punições e os castigos são muito mais eficazes se forem dados imediatamente a seguir ao comportamento. Lembre-se que mais importante que punir comportamentos negativos, é premiar sempre os comportamentos positivos.

 

hotel_2

Escrito em por na categoria Curiosidades.

No hotel Aloft localizado nos EUA (Carolina do Norte) cada vez mais hóspedes estão a fazer o check-out com novos membros na família. Este hotel fez uma parceria com uma associação de protecção animal local para incentivar a adopção de cães abandonados.

A ideia é simples: o hotel recepciona os hóspedes com alguns dos cães resgatados pela associação que precisam de um novo lar. Após dias de convivência, muitos turistas criam uma empatia com os animais e, se quiserem, podem adoptá-los e levá-los para a sua casa.

Até agora, a campanha tem sido um sucesso! Mais de 20 cães já conseguiram novos lares graças à iniciativa e segundo os empregados do hotel, alguns animais conquistaram os turistas em poucas horas. Já tiveram até casos em que mais de uma família quis adoptar o mesmo animal!

Após demonstrarem a intenção de adoptar os cães, os hóspedes são orientados pela gerência do hotel a entrar em contacto com a associação animal e precisam de passar por todo o processo de adopção da associação – que inclui entrevista e visitas ao domicílio – para provar que estão aptos a cuidar do animal.

Como acham que seria esta iniciativa em terras lusitanas?